Água e hortaliças são apontadas por técnicos como principais fontes de causa da toxoplasmose em Santa Maria

Em entrevista na manhã desta terça-feira (26) em Santa Maria, o chefe da Secretaria Nacional de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Osnei Okumoto, pontuou que a fonte de contaminação da toxoplasmose na cidade da Região Central do Rio Grande do Sul ainda é apurada, mas que as principais suspeitas são em relação à água ou às hortaliças.

O balanço mais recente divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul aponta que foram confirmados 569 casos em 2018. O pico de registros ocorreu entre março e abril, sem novos casos confirmados com data de início de sintomas depois do dia 10 de maio.

Sobre a declaração do ministro da Saúde, Gilberto Occhi, na semana passada, afirmando que a causa era a água, as autoridades presentes na coletiva classificaram a fala como um "mal-entendido".

"Conseguimos ter um parecer maior voltado para essa questão da água e da hortaliça, ao qual a gente está trabalhando ultimamente e buscando mais informações, mais amostragens, para que a gente possa ter um resultado final", destacou Okumoto ao comentar sobre os cerca de 300 questionários aplicados a moradores da cidade.

Ainda de acordo com ele, alimentos como carnes suínas, bovinas, de ovinos e embutidos já foram eliminados como prováveis causas, durante o estudo. Sobre as hortaliças, Okumoto cita que pode haver uma contaminação cruzada. Isso ainda não ficou comprovado.

"A gente trabalha com essa possibilidade de a hortaliça ter uma contaminação cruzada, porque o produtor trabalha com a questão da água para fazer a limpeza dessas hortaliças antes de colocar no mercado para venda. Depois disso, dentro mesmo dos locais de venda, o pessoal utiliza borrifador de água para manter as hortaliças mais frescas. E a outra fonte é que, quando chega em casa, a gente lava novamente as hortaliças com a água que a gente tem disponível no momento", explica."E quando a gente fala de água, fala de vários tipos de água. Tem residências que estão com água da rede de tratamento, outras de poços individuais, outras em poços artesianos, e assim por diante. A gente trabalha com água de torneira, e a água de torneira tem váriaveis. Estamos procurando fazer uma análise melhor", completa.Conforme Okumoto, "a presença da contaminação da toxoplasmose acontece, na maioria das vezes, tendo a água como veículo." Mas justamente porque ainda não se sabe a origem da contaminação, ele reforça que "é preciso tomar cuidado e trabalhar em cima de todos esses ângulos."

O secretário estadual da Saúde, Francisco Paz, garante que os técnicos do estado e da União estão trabalhando em conjunto para solucionar essa questão, ainda que o resultado demore a aparecer.

"Nós temos o mesmo entendimento técnico que estamos enfrentando um problema de difícil solução a curto prazo, mas estamos trabalhando e fazendo tudo aquilo que se faz em qualquer lugar do mundo", diz.

Na mesma entrevista, foi anunciado que o trabalho de campo dos técnicos do Ministério da Saúde em Santa Maria se encerrou nesta terça. Contudo, a análise dos dados e a fiscalização seguem.

g1 rs

voltar
© Copyright 2019