Após faltar a 10 sessões plenárias, Jardel poderá responder a novo processo na Assembleia

A Comissão de Ética da Assembleia gaúcha foi notificada nesta quarta-feira (9) de que o deputado Mario Jardel (PSD) faltou às últimas 10 sessões plenárias realizadas na Casa. A situação pode levar à punição do parlamentar. O caso será analisado pela Corregedoria e a expectativa é de criação de uma nova subcomissão processante.

“Ainda vou analisar a situação, mas parece que o deputado está tratando com má-fé e desleixo o Legislativo. Ele tenta a obstaculização do processo”, relata o corregedor do Parlamento, deputado Marlon Santos (PDT).

As faltas não levam à cassação do parlamentar. No entanto, há outras duas punições que podem ser dadas nessa situação. Uma delas é a censura, uma espécie de repreensão. A outra é a suspensão do mandato por até 90 dias.

Defesa

Para a defesa de Jardel, o caso não se sustenta, já que ele ainda teria tempo para apresentar atestados na Casa. No entanto, o advogado Rogerio Bassotto reclama que as senhas de acesso do deputado à rede eletrônica da Assembleia foram bloqueadas, como uma forma de força-lo a comparecer pessoalmente na Assembleia.

“Ele tem até o dia 10 para justificar a ausência”, afirma o advogado Rogerio Bassotto.

Depoimento

Jardel foi intimado para depor na próxima quarta-feira (16) na subcomissão processante que analisa se houve quebra de decoro parlamentar em outro caso, envolvendo indícios da manutenção de funcionários fantasmas, fraude em diárias, entre outros. O prejuízo aos cofres públicos, de acordo com o Ministério Público, é superior a R$ 200 mil. Ele ainda não confirmou presença.

voltar
© Copyright 2019