Com 15 mil pessoas, Lance de Craque termina com vitória do time Solidariedade

Com um público de Brasileirão, 15.022 pessoas, foi realizada a terceira edição do Lance de Craque, o evento beneficente criado por D'Alessandro e disputado no Estádio Beira-Rio. O placar era o que menos importava, mas o Solidariedade venceu o Esperança por 6 a 5.

Dessa vez, o Lance de Craque terá a renda revertida para familiares de jogadores e funcionários da Chapecoense, além de entidades assistenciais como Kinder – Centro de Integração da Criança Especial, Projeto Evangélico Aspirantes de Cristo e Instituto São Benedito.

Símbolo de uma Chapecoense que tenta recomeçar, o lateral Alan Ruschel representou o clube na festa do Beira-Rio. Caminhando com alguma dificuldade, passos lentos, ele foi recebido por D'Alessandro para dar um pontapé inicial na partida. Recebeu a camisa número 24, com o nome do goleiro Follmann às costas e uma outra, a de número 4, com o nome do zagueiro Neto. Os três foram os únicos jogadores a sobreviver à tragédia com o voo da Chapecoense.

Em campo, os colorados pareciam jogar a sério. Na defesa do Solidariedade, o técnico do Inter Antônio Carlos Zago não queria saber de dar espaços a Alario nem a Cuca. Pelo lado direito, um possível trio colorado em 2017 partia para o ataque: William, D'Alessandro e Taison. Rubén Paz mostrava grande categoria, com toques precisos e um chute no travessão, enquanto que o ex-Grêmio Loco Abreu abriu o placar com um golaço, após um chapéu em Dida. Alario em seguida empatou.O show seguiu com o ex-árbitro Márcio Chagas marcando um pênalti para D'Alessandro cobrar. Foram duas tentativas. Na primeira, Loco Abreu correu e deu de calcanhar para trás, mas D'Alessandro foi derrubado por Kleber. O argentino então cobrou a segunda penalidade e fez o 2 a 1. O primeiro tempo ainda teve a virada com Esperança virando sobre Solidariedade, com gols de Cuca e de Alario. Mas Taison empatou ao final, depois que Dida deu uma de Higuita e perdeu a bola no meio-campo. Abbondanzieri lançou Taison, que empatou em 3 a 3. Loco Abreu ainda fez o 4 a 3, antes do final.

No segundo tempo, com D'Alessandro jogando pelo Esperança, quem seguiu brilhando foi Taison. Em uma grande jogada, deixou Clemer no chão e cruzou para Loco Abreu marcar o quinto gol do Solidariedade. Em seguida, foi substituído por Sandro Sotilli – enquanto que Rodrigo Moledo entrou no lugar de Zago.

Sotilli marcou de pênalti: 6 a 3. E saiu dançando, como se estivesse em um bailão. Luis Mário descontou para o Esperança. D'Alessandro ainda levantou a torcida uma vez mais ao dar cartão amarelo para Abbondanzieri, por falta fora da área. Kleber, agora no time Esperança, diminuiu para 6 a 5.

Ao final, quatro torcedores invadiram o campo. Queriam abraçar D'Alessandro — que nesse momento já estava vestido de árbitro, apitando a partida. Com o fim do jogo, todos foram aplaudidos. Mas D'Alessandro e Taison foram bem mais aplaudidos do que os demais.

Ficha

Time Solidariedade:

Pato Abbondanzieri; Maidana, Antônio Carlos Zago e Adilson Batista; William, Magrão, Rubén Paz, D'Alessandro e Diego Placente; Loco Abreu e Taison. Técnicos: Carlos Bianchi e Cléber Xavier

Entraram: Leo Ortiz, Odair, César, Sotilli, Rodrigo Moledo, Wendell Lira, Giancarlo Zago

Time Esperança:

Dida; Hernán Diaz, Juan, Ayala e Kleber; Dunga, Contreras, Cuca e Guilherme Biteco; Lucas Alario e Barcos. Técnico: Mano Menezes

Entraram: Clemer, Dinho, D'Alessandro, Darío Rodríguez, Herbella, Luis Mário, Bolívar, Marcelo D¿Alessandro, David Nalbandian, Francisco Ayala, Barcos

Árbitros: Sálvio Spinola e Márcio Chagas

Os gols (em sequência)

Primeiro tempo: Loco Abreu (S), Alario (E), D¿Alessandro (S), Cuca (E), Alario (E), Taison (S) e Loco Abreu (S)

Segundo tempo:

Loco Abreu (S), Luis Mário (E), Kleber (E)

 

 

voltar
© Copyright 2019