Com reservas, Grêmio goleia o Vitória por 4 a 0 na Arena

A torcida do Grêmio nem sentiu falta dos titulares, que guardam forças para a decisão contra o Flamengo, quarta (15), no Maracanã, pela Copa do Brasil. Na noite deste domingo, com brilho, controle de bola e objetividade, o  time reserva passeou na Arena, fez 4 a 0 no Vitória e alojou-se na terceira posição do Brasileirão, à frente do Inter, que joga somente nesta segunda-feira. Não faltaram oportunidades para um placar ainda maior contra um adversário que pouco criou e muito cedo se entregou em campo.




É inegável que a vitória contra o Flamengo, uma semana antes, deu confiança aos suplentes. Concentrado, o Grêmio ocupou todos os espaços, teve posse de bola e eficiência nas conclusões. Diferentemente de outros momentos, em que a preservação de titulares representava uma fragilização do time, desta vez se viu uma equipe com virtudes individuais e méritos coletivos. Em outras palavras, confiável.




Sobrou qualidade no primeiro gol do Grêmio, marcado a 11 minutos. Tudo começou com a invertida de Matheus Henrique para o lado direito, que parou no pé direito de Leonardo. O lateral passou a bola para o pé esquerdo e cruzou para o cabeceio de Douglas, defendido parcialmente por Ronaldo. 




A sobra parou no pé esquerdo do meia, que empurrou para a rede. O gol mereceu uma comemoração especial, por ser o primeiro de Douglas em 655 dias – o último, antes das duas cirurgias no joelho esquerdo, ocorrera em 26 de outubro de 2016.




O segundo gol não demorou a sair. E, de novo, contou com a participação de Douglas, desta vez com uma abertura na esquerda, para Jailson. Próximo da área, o volante precisou ajustar o corpo para vencer Ronaldo com um forte chute cruzado.




A atuação empolgava a torcida. Douglas flutuava em campo, Matheus Henrique, como primeiro volante, exibia recursos nos passes, e Jailson, com energia, marcava com eficiência e tentava passes longos. Leonardo, mais confiante, teve, além do passe para o primeiro gol,  até uma oportunidade para marcar, desperdiçada com um chute muito alto.




Relembre como foi a partida na Arena




Tanta superioridade fez com que o Vitória arrematasse somente uma vez, ainda assim em cobrança de falta de Yago, aos 30 minutos. A vitória parcial provocou no Grêmio a natural redução no ritmo, insuficiente, contudo, para permitir maior crescimento ao adversário. 




O segundo tempo teve início com um inesperado avanço do Vitória, que resultou no chute do argentino Bou e na primeira defesa de Paulo Victor. Oportunidade logo respondida com a perigosa cobrança de Jael, após falta sofrida por Marinho na frente da área. A chance seguinte, também de falta, foi de Matheus Henrique, muito próxima da trave esquerda.




O que esperar diante de tanta superioridade se não mais um gol? E ele veio dos pés de Pepê, aos 12 minutos, depois de receber de Marinho, investir pela esquerda e disparar um forte chute de pé direito, com desvio na zaga.




Já com Maicon no lugar de Matheus Henrique, retirado do jogo por lesão no joelho esquerdo, o Grêmio esteve perto de ampliar. Aos 23 minutos, na frente da área, Douglas livrou-se de Ramon e desferiu um chute que só não saiu melhor por ter sido de pé direito.




A torcida ainda teve a alegria de ver Everton por alguns minutos, suficientes para um bonito drible e o quarto gol. Aos 36 minutos, ele disparou pelo meio, serviu a Jael, que chutou para outra defesa parcial de Ronaldo, seguiu correndo e chutou com o gol vazio. É uma das apostas do Grêmio para o jogo contra o Flamengo, que vale vaga nas semifinais da Copa do Brasil e mantém viva a chama do hexa. 

Fonte: Gaúcha ZH

voltar
© Copyright 2019