Em delação, deputado cassado Diógenes Basegio confessa crimes e acusa outros parlamentares de irregularidades

O RBS Notícias, da RBS TV, revelou detalhes da delação premiada do deputado estadual cassado Diógenes Basegio (PDT). O acordo que o político firmou com o Ministério Público foi homologado pela Justiça em janeiro, e também foi assinado por outras três pessoas ligadas a Basegio: o ex-assessor Alvaro Luis Ambros, a nora Samarina Stédile Basegio e a prima Adriana Ongaratto.

Em agosto de 2015, Basegio havia sido denunciado por quatro crimes– lavagem de dinheiro, concussão, peculato e organização criminosa, cujas penas máximas, somadas, chegariam a 38 anos de cadeia. Pela delação, Basegio poderá ser condenado, no máximo, a 7 anos e 6 meses de prestação de serviços comunitários, 7 horas por semana.

Também terá de devolver R$ 2,7 milhões aos cofres públicos, a maior parte em conjunto com o assessor Alvaro. Por três anos, o ex-deputado também terá os direitos políticos suspensos e ainda ficará proibido de contratar com o poder público.

Os documentos aos quais a reportagem teve acesso mostram que o político de Passo Fundo confessou "deficiências intencionais no controle de frequência dos funcionários, repasse de parte de salários de cargos de confiança, diárias inidôneas e falsidade no controle da quilometragem dos veículos."

© Copyright 2019