Entidades de servidores convocam greve de 4 dias após parcelamento

Categorias de servidores estaduais estão organizando uma paralisação mais impactante a partir dessa segunda-feira (31) para protestar contra o novo parcelamento dos salários. Extratos bancários mostram que o depósito que entrará na conta será de R$ 600. Com isso, a mobilização será de quatro dias.

O governador José Ivo Sartori fará pronunciamento à imprensa sobre o pagamento dos salários dos servidores públicos nessa segunda-feira, às 9h, no Palácio Piratini. Após a manifestação do governador, o secretário da Fazenda, Giovani Feltes, detalha o calendário de pagamento e fica à disposição dos jornalistas.

A expectativa é de que, após o depósito dos R$ 600, o restante será pago em até quatro parcelas, dependendo do salário. Em julho, o Executivo pagou até R$ 2.150,00 em dia e o restante foi quitado em 10 de agosto.

O presidente da Federação Sindical dos Servidores Públicos, Sergio Arnoud, estima uma maior adesão a essa paralisação devido à redução da primeira parcela repassada aos servidores. Ocorreram quatro dias de paralisação em agosto, nos dias 3, 19, 20 e 21.

Confira a situação dos serviços a partir de segunda-feira:

SEGURANÇA PÚBLICA

Brigada Militar

O Comando-Geral da Brigada Militar informa que atendimentos ocorrerão normalmente, já que a legislação considera ilegal qualquer tipo de greve ou operação-padrão de policiais militares. A corporação garante que haverá policiais circulando a pé ou a cavalo.

O presidente da Associação de Cabos e Soldados da Brigada Militar (Abamf), Leonel Lucas, afirma que a categoria pretende aguardar o pronunciamento do Governo Estadual nessa segunda-feira para definir posicionamento. No entanto, garante que, com o parcelamento, haverá aquartelamento a partir da terça-feira.

Polícia Civil

O sindicato dos policiais civis afirma que não deve haver circulação de viaturas, que devem ser mantidas paradas no órgão a que pertencem. Também não haverá cumprimento de mandados de prisão, operações policiais, serviço cartorário, entrega de intimações e oitivas.

As delegacias e plantões somente atenderão os flagrantes e casos de maior gravidade como homicídio, estupro, ocorrências envolvendo crianças e adolescentes e lei Maria da Penha, além daquelas ocorrências em que os plantonistas julgarem imprescindível a intervenção imediata da Polícia Civil.

Para casos com perda de documentos, a população pode fazer o serviço de forma online.

IGP

O Instituto Geral de Perícias (IGP) anuncia atendimento normal, já que trabalha com equipe reduzida, mas afirma que os resultados dos exames ficarão suspensos. Em caso de homicídios, a equipe terá uma reunião para definir qual será a orientação.

Susepe

A Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe) informa que serviços externos, como transferência e audiências serão reduzidos. Também haverá redução do número de visitas aos presos.

EDUCAÇÃO

Professores estaduais também decidiram entrar em greve na segunda-feira. Pais estão orientados a não levarem seus filhos para as instituições de ensino estaduais. Segundo Centro dos Professores do Estado (Cpers), a paralisação atinge 100% da rede estadual nos quatro dias da paralisação.

Já a Secretaria Estadual da Educação afirma que, por enquanto, não há nenhuma orientação diferente para esses dias. 

SAÚDE

O Sindicato dos Servidores e Trabalhadores Públicos em Saúde do Rio Grande do Sul (Sindissama-Saúde) orienta trabahadores pela manutenção dos atendimentos em 30%. A presidente, Márcia Trindade, acredita que serviços terão lentidão, mas garante que não haverá suspensões.

TRANSPORTE

No Trensurb (serviço federal), conforme a assessoria de imprensa da empresa, o serviço segue normal na segunda-feira. Também nos ônibus, que são um serviço municipal, também não há previsão de paralisação.

O Departamento Estadual de Trânsito (Detran) também prevê atendimento normal.

BANCOS

O Banrisul, através de sua assessoria de imprensa, garante que o atendimento não será afetado nas agências. Já o Sindbancários informa que não há previsão de agências fechadas na segunda-feira, mas o sindicato pretende entrar com nova liminar na Justiça. O objetivo é pedir o fechamento dos bancos a partir da terça-feira caso haja confirmação sobre o aquartelamento dos brigadianos.

OUTROS SERVIÇOS

Conforme a assessoria do Centro Administrativo Fernando Ferrari (Caff), não há alteração prevista no atendimento ao público. 

voltar
© Copyright 2019