Grêmio perde nos pênaltis para o Cruzeiro e está fora da Copa do Brasil

Chegou ao fim o sonho do Grêmio de ser hexacampeão da Copa do Brasil em 2017. A equipe de Renato Portaluppi perdeu por 1 a 0 no Mineirão, com gol de Hudson, e foi derrotada nos pênaltis por 3 a 2. Enquanto Renato Portaluppi mandou a campo o time esperado, com Bressan na zaga e Arthur de volante (deixando Bruno Rodrigo e Maicon no banco), Mano Menezes apresentou um Cruzeiro diferente do previsto. O técnico da equipe mineira manteve Ezequiel na lateral direita, devolveu Hudson ao meio e lançou Elber no ataque, na vaga que era especulada para ser de Rafael Sobis ou Raniel.A ideia era centralizar e avançar Thiago Neves, em um 4-1-4-1 que, segundo jornalistas mineiros ouvidos pelo repórter Eduardo Gabardo, da Rádio Gaúcha, jamais foi treinado. 

Embalado mais de 55 mil torcedores, o Cruzeiro começou o jogo acelerado, mas batendo bastante. Foram cinco faltas em cima de Luan.Pudera. Aos quatro minutos, o camisa 7 foi o articulador da primeira jogada ofensiva do Grêmio, que esteve a centímetros de terminar o jogo. Ele se livrou da marcação e encontrou Barrios no meio da defesa, livre. Com a bola dominada, o centroavante teve tempo para olhar o goleiro e chutar. Mas seu chute carimbou Fábio.

A resposta do Cruzeiro só saiu aos 11 minutos. Thiago Neves teve o espaço que Mano Menezes queria lhe dar, carregou e arriscou da entrada da área. A bola desviou em Kannemann e encobriu Marcelo Grohe, batendo na parte de cima da rede.

Deste lance até os 32 minutos, a partida teve o seguinte panorama: Grêmio com controle da bola e procurando espaço para concluir e Cruzeiro marcando e rifando os ataques. Desse jeito, ninguém realmente incomodava. Até que um lançamento de Robinho surpreendeu a zaga gremista, que ficou parada, olhando Alisson subir e, de cabeça, obrigar Grohe a fazer boa defesa.

Mano Menezes desfez sua estratégia no intervalo. Elber, o surpreendente jogador de lado de campo escolhido para ser atacante, deu lugar a Raniel, centroavante de origem. Pois a presença de um jogador mais posicionado entre os zagueiros começou a dar vantagem ofensiva ao Cruzeiro. Raniel passou a prender a defesa do Grêmio e a atacar como não tinha feito no primeiro tempo.

Em uma tentativa de ataque, a bola saiu para a linha de fundo. Na cobrança de escanteio de Thiago Neves, Hudson antecipou e cabeceou forte, Grohe ainda conseguiu tocar, mas não impediu a bola de cruzar a linha: 1 a 0. O gol animou ainda mais o Cruzeiro, que se impôs e dominou o Grêmio nos minutos seguintes. Renato tentou mudar o sistema de ataque: tirou Barrios e colocou Everton. A bola aérea quase deu o segundo para o Cruzeiro aos 17. Thiago Neves cobrou escanteio e Raniel estava sozinho para tentar, de voleio, vencer Marcelo Grohe, que ficou no meio do caminho. A bola quicou e encobriu o travessão.

Havia problemas nas jogadas por cima da defesa do Grêmio. Aos 30 minutos, em sua primeira jogada, Arrascaeta ergueu para a área, a bola desviou e Thiago Neves não conseguiu completar a centímetros da trave. Dali em diante, a partida se arrastou até os pênaltis.

Nas cobranças, após Fernandinho e Rafael Sóbis abrirem a série com cobranças precisas, quatro erros em sequência: Edilson mandou na trave, Marcelo Grohe defendeu o chute de Robinho, Everton bateu no travessão e Grohe salvou o Grêmio mais uma vez pegando a batida de Murilo. 

Arthur cobrou com categoria para colocar o Grêmio em vantagem, mas Raniel respondeu na mesma moeda, mandando no ângulo de Grohe para empatar. Na última cobrança do Grêmio, Luan bateu para defesa de Fábio. E Thiago Neves acertou para encerrar o sonho do Grêmio do hexacampeonato.

voltar
© Copyright 2019