Grêmio vence o Cruzeiro na despedida da Arena em 2019

Na despedida dos titulares do Grêmio em 2019, dois reservas resolveram o jogo. Ferreira e  Pepê, os autores dos gols da vitória tricolor por 2 a 0 sobre o Cruzeiro, na Arena, na noite desta quinta-feira (5). Para o time gaúcho, o resultado valeu apenas a retomada da quarta posição. Mas, para os visitantes, a derrota complica ainda mais a luta contra o rebaixamento. Agora, além de vencer na última rodada, a Raposa precisa que o Ceará perca para evitar uma inédita queda à Série B.
O início da partida teve um Grêmio que tratava de acalmar o ímpeto do Cruzeiro e trocava passes no campo de defesa. Desesperado, o time mineiro quando tinha chance tentava bater no gol. Tanto foi assim que as primeiras finalizações foram dos visitantes, que tentaram primeiro com Fred e, em seguida, com Éderson – as duas para fora. Na terceira e melhor chegada, Orejuela invadiu a área e, em vez de chutar, tentou o cruzamento rasteiro. A bola atravessou a área e bateu na bandeirinha de escanteio antes de sair pela linha de fundo.
O tempo passava e nada de muito relevante acontecia. O Tricolor tinha o controle da partida, mas não conseguia criar. As únicas tentativas de chegar ao ataque eram com bola alçada na área ou por meio de contra-ataques. Nada que tenha assustado o goleiro Fábio. A primeira finalização gremista saiu apenas aos 23 minutos, quando o zagueiro David Braz arriscou direto uma cobrança de muito longe e jogou para fora.
Disperso, o Grêmio levou um susto aos 29 minutos. Éderson foi lançado, passou por David Braz e saiu cara a cara com Paulo Victor. O volante tentou encobrir o goleiro gremista, que conseguiu saltar e evitar o que seria o gol cruzeirense.
Pouco depois, Luciano e Egídio se desentenderam. O atacante gremista quase derrubou o lateral ao proteger a bola. Como resposta, o jogador do Cruzeiro deu um tapa nas costas do atleta tricolor e recebeu o cartão amarelo, que o tira da última rodada do Brasileirão.
Outro que acabou suspenso foi Ariel Cabral, que parou Kannemann com falta e foi amarelado. Em seguida, ele fez nova falta e o árbitro não deu cartão. Rapidamente, Adilson Batista colocou Robinho em seu lugar, aos 42 minutos, para evitar uma expulsão. Ainda antes do intervalo, Edilson reclamou de uma disputa com Luciano e também levou o cartão e está fora do jogo do Cruzeiro contra o Palmeiras, no domingo.
O segundo tempo começou sem mudanças. As duas equipes iniciaram em marcha lenta. O primeiro chute da etapa final foi de Everton, nas mãos de Fábio. Para tentar aumentar o ritmo do time, Adilson tirou Fred e Orejuela e mandou a campo Pedro Rocha e Ezequiel ainda antes dos 15 minutos. E logo o Cruzeiro teve duas chances. A primeira, com Cacá, de cabeça, defendida por Paulo Victor. Depois, Michel evitou o que seria o gol de Robinho.
Renato logo respondeu com a entrada do garoto Ferreira no lugar de Tardelli, que saiu vaiado pela torcida. Mas a situação melhorou mesmo para o Grêmio quando Robinho teve de deixar o campo com dores e o time mineiro ficou com um a menos, já que havia feito as três substituições. Em seguida, Patrick entrou na vaga de Galhardo, também vaiado ao sair de campo.
Terminadas as substituições, o time gaúcho resolveu atacar. E logo saiu o gol. Paulo Victor lançou Pepê pela esquerda. Ele avançou e cruzou rasteiro. Everton fez o corta-luz para Ferreira receber livre e chutar para marcar o gol da vitória, aos 21 minutos da etapa final.
Sob os gritos de “ão, ão, ão, Segunda Divisão”, o Grêmio seguiu no ataque e teve novas chances com Patrick e Everton. Renato ainda colocou Isaque no lugar de Luciano, para dar novo ânimo ao ataque. Mas foi Pepê quem arrancou em velocidade e sofreu pênalti, aos 38 minutos. Ele mesmo bateu para fazer 2 a 0.
Depois disso, era olé na torcida e apenas o Grêmio buscando jogar. Destroçado, o Cruzeiro mostrou por que deve cair.

Fonte: Gaúcha ZH

voltar
© Copyright 2019