Itaqui e Capão da Canoa lideram casos de tráfico no RS

 

Duas cidades em dois extremos do Rio Grande do Sul se destacam como principais pontos de venda de drogas em 2015.

Conforme dados da Secretaria da Segurança Pública, Itaqui, na Fronteira Oeste, e Capão da Canoa, no Litoral Norte, figuram como líderes em ocorrências policiais de tráfico de drogas, em proporção à população, no primeiro semestre. A estatística mostra que em Itaqui a taxa é de 14,8 registros por 10 mil habitantes, e, em Capão da Canoa, de 14,1 casos.    

RANKING DO TRÁFICO 

NO ESTADO

 

Cidades com mais registros de tráfico 

(taxa por 10 mil habitantes)

ItaquiCapão daCanoaPorto AlegreSantiagoViamãoCanoasAlvoradaSão LeopoldoSapucaia do SulSanta Cruz0246810121414,814,19,69,387,56,96,46,36,3

 
O diretor do Denarc, Emerson Wendt, diz que o departamento tem intensificado suas ações.

5 toneladas de drogas
foram apreendidas até julho.

390 pessoas foram presas em flagrante
nas 291 ações realizadas.

120 armas recolhidas
Número maior do que durante todo o ano passado.
 

Separada pelo Rio Uruguai de Alvear, na Argentina, Itaqui está em um tradicional corredor usado por quadrilheiros internacionais para o ingresso clandestino de armas e drogas oriundas do Paraguai. No sentido inverso, costumam sair por ali veículos roubados na região metropolitana da Capital. Em abril deste ano, por exemplo, foi apreendida no município uma Pajero clonada, avaliada em R$ 130 mil, que seria utilizada como moeda para pagamento de contrabando.

É possível que o tráfico tenha migrado para Itaqui em razão de uma megaofensiva policial na vizinha São Borja, em 2012, que deslocou 600 agentes à fronteira para capturar 13 quadrilhas de dominavam o comércio na cidade. Na ocasião, foram presas 77 pessoas.

Na proporção, capital fica em terceiro lugar

Mais populoso município do Litoral Norte, Capão da Canoa se consolidou nos últimos cinco anos como um pujante mercado consumidor de drogas entre as 25 cidades que compõem a região. O comércio de entorpecentes se espalha por vilas da periferia, beneficiado pela facilidade de acesso direto à rodovia ERS-389, a Estrada do Mar, e ao fato de a cidade estar bem próxima da BR-101. Ambas são usadas como rotas para chegada e saída de cocaína, maconha, crack e drogas sintéticas da Região Metropolitana, da Serra e de Santa Catarina.

Em janeiro, o Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc) prendeu, em Xangri-lá, um personal trainer, morador da Capital, com 40 comprimidos de ecstasy, que seriam vendidos em uma casa noturna.

Embora em números absolutos Porto Alegre some quase um terço dos registros de tráfico no Estado, proporcionalmente fica em terceiro lugar, com 9,6 ocorrências por 10 mil habitantes. Isso porque é comum as quadrilhas preferirem montar suas bases em áreas mais descampadas para armazenar e refinar a droga.

Fonte: Zero Hora

voltar
© Copyright 2019