No Congresso, Dilma defende volta da CPMF e reforma da Previdência

A presidente Dilma Rousseff participou nesta terça-feira (2) da abertura do Ano Legislativo no Congresso Nacional. Durante o seu discurso, ela defendeu a recriação da Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF), momento em que foi vaiada por alguns parlamentares presentes.

"Em favor do Brasil, devemos estar cientes de que, para a estabilidade fiscal de curto prazo, é imprescindível o sucesso dessas medidas. A CPMF é a ponte necessária entre a urgência do curto prazo e a necessidade de estabilidade fiscal do médio prazo", afirmou.

Dilma também defendeu a reforma na Previdência. Segundo ela, o governo irá apresentar propostas sustentáveis para o setor, mas sem mexer nos direitos dos trabalhadores.

“A proposta vai respeitar os direitos adquiridos pelos brasileiros”, disse.

Ao explicar os motivos da necessidade desse tipo de reforma, Dilma ressaltou que a Previdência precisa novamente ter sustentabilidade, "em um contexto de envelhecimento da população". 

A presidente pediu ainda cooperação e “parceria” do Congresso para retomar o crescimento econômico do País. Segundo ela, o governo quer “construir uma agenda” para permitir a transição da fase de ajuste para um "regime fiscal".

“Crise é sempre um momento muito doloroso para ser desperdiçado. É um momento que surgem oportunidades”, afirmou.

Dilma foi recepcionada pelos presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara, Eduardo Cunha. Também estiveram presentes à cerimônia o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, além de ministros de Estado.

GAÚCHA, COM AGÊNCIA BRASIL
 
voltar
© Copyright 2019