No retorno de D’Ale ao Beira-Rio, Inter é derrotado pelo Novo Hamburgo

O decorrer do Gauchão começa a mostrar que a realidade do Inter em 2017 poderá ser mais dura do que se imaginava. A derrota por 2 a 1 para o líder do Estadual, o Novo Hamburgo, no Beira-Rio, mostrou dois times de Antônio Carlos Zago. O do primeiro tempo, mal escalado, com marcação frouxa no meio-campo, defesa exposta e ataque improdutivo. O do segundo tempo, com os ingressos de Charles, Andrigo e Junio, bem mais ousado, pressionando e com boas jogadas ofensivas — ainda que exposto aos contra-ataques.  

Apesar do denodo da equipe na segunda etapa, os erros do começo da partida derrubaram o Inter. Uma derrota merecida e que teve como vilão eleito pelos torcedores o técnico Antônio Carlos Zago.

Em campo, os jogadores precisaram encarar um primeiro desafio: o hostil verão porto-alegrense. Ainda que a temperatura apontasse apenas 33° C, o solaço que invadia o Beira-Rio transformava o bairro Menino Deus em uma espécie de purgatório. Todos suavam. Mesmo parados e à sombra. Imagine em campo e correndo.

Drama climático à parte, o torcedor colorado foi surpreendido com Fernando Bob em campo e com o promissor Charles no banco. Com o retorno de D'Alessandro a uma partida oficial no estádio, após um ano de ausência, o Inter tentou pressionar o Novo Hamburgo. Em muitos momentos, 21 jogadores apareciam no campo do visitante. O Novo Hamburgo se defendia com 11 jogadores e buscava a vitória em contra-ataques — em especial no espaço deixado por Ceará, que demorava a voltar quando apoiava.  

Aos 10 minutos, a primeira boa chance do Inter. Nico encontrou D'Alessandro, que bateu em curva, para boa defesa de Mateus. Após a parada técnica, aos 23 minutos, o Inter tentou voltar a pressionar o Novo Hamburgo. Sem sucesso. As dificuldades ofensivas apresentadas nos primeiros amistosos e jogos da temporada se repetiram contra o fechado Novo Hamburgo. Com D'Alessandro se desdobrando quase sozinho na armação, sobra pouco para abastecer o setor de ataque.

Aos 41 minutos, Dourado perdeu a bola no meio-campo. Com o time todo no ataque. Preto recebeu de Jardel e encarou a zaga do Inter até ficar cara a cara com Danilo Fernandes e fazer o gol: Novo Hamburgo 1 a 0.

Mas o pior estava por vir para os colorados. Após cobrança de escanteio de D'Alessandro, a defesa do Novo Hamburgo afastou a bola e dominou o rebote. Mais um contra-ataque com a defesa colorada totalmente exposta. Jardel recebeu e correu sozinho até a área do Inter, onde restava apenas Danilo Fernandes entre ele e o gol. Resultado: Novo Hamburgo 2 a 0. E vaias no Beira-Rio.

Assim que o árbitro apitou o final do primeiro tempo, mais vaias ao time e, sobretudo, ao técnico Antônio Carlos Zago , que no intervalo fez o mea culpa, trocando Bob por Charles, e também Diego por Andrigo.  

Por que um treinador pune o time sacando o melhor jogador da partida anterior? Charles deu nova vida ao meio-campo, liberou Dourado para apoiar a inda arriscou um chute a gol. O Inter era, enfim, todo pressão. Uendel deixou dois marcadores no chão e faria um golaço, não fosse uma defesaça de Mateus. No contra-ataque, gol do Novo Hamburgo, anulado, por impedimento. No desespero pelo empate, o Inter estava exposto ao bom time do Vale do Sinos.  

A terceira troca de Zago foi o jovem Junio por Ceará. Logo no primeiro lance, Junio mandou uma bomba a gol, que explodiu na cabeça de Nico, e acabou saindo. Aos 25 minutos, enfim, a reação na prática. Uendel recebeu na esquerda e encontrou Nico López, quase na pequena área, para empurrar para o gol e descontar para 2 a 1. Aos 41, o Mateus defendeu nos pés de  Nico. O atacante caiu e os jogadores reclamaram pênalti. O árbitro nada marcou. Nos minutos finais, até Danilo Fernandes foi para a área adversária, em uma sequência de escanteios.  

Mas acabou assim: os erros do Inter no primeiro tempo e a boa atuação do Novo Hamburgo (e de seus cerca de 200 torcedores, no estádio) fizeram com que os colorados já sofressem a primeira derrota em casa na temporada.  

O ano do Inter não começa bem. Em seis pontos disputados no Estadual, ganhou apenas um. Na quarta-feira, o time de Zago receberá o o Fluminense de Abel Braga, pela Primeira Liga, um jogo de alto risco para um Inter que ainda não se encontrou no começo do ano.

ZERO HORA

 
voltar
© Copyright 2019