PMDB deve assumir controle de nomeações na gestão Sartori

Com a proximidade do prazo para desincompatibilização de quem irá concorrer em outubro (7 de abril) e o afastamento dos partidos aliados que terão candidatos ao Piratini, o PMDB se prepara para avançar sobre os espaços no governo de José Ivo Sartori. A tendência, apontam lideranças peemedebistas, é de que o suporte ao governador se concentre nas mãos do partido nesta reta final da gestão. Do núcleo principal que acompanhou Sartori desde 2015, apenas o secretário Cleber Benvegnú, da Comunicação, deverá permanecer na Administração.

 

“Assim que chegam, as sugestões de nomes vão sendo repassadas ao governo para o aproveitamento de acordo com o perfil do indicado e a necessidade da administração”, explica o presidente do PMDB, deputado federal Alceu Moreira. As mudanças no governo deverão ocorrer cotidianamente. Suzana Kakuta, hoje no Badesul, deverá ser indicada para um cargo no primeiro escalão. A confirmação ainda deverá ser feita nos próximos dias.

 

O presidente do PMDB pondera, contudo, que é preciso sustentar as alianças mantendo proporcionalidade na relação de espaços com aqueles aliados que se mantiverem comprometidos com os projetos do governo. “Do PSDB saíram os secretário Lucas Redecker e Arthur Lemos (ambos ex-secretários de Minas e Energia). As demais pessoas permanecem. A boa relação com os aliados deve ser preservada”, aponta Moreira.

 

A posição defendida pelo presidente poderá dar a tônica das mudanças, ao menos, num primeiro momento, quando adjuntos poderão ficar como titulares. Isso ocorrerá, por exemplo, na Secretaria da Fazenda, onde o adjunto Luiz Antônio Bins substituirá Giovani Feltes (PMDB).

voltar
© Copyright 2019