Sete são presos e indústria é interditada por fraude no leite no RS

A Promotoria de Defesa do Consumidor obteve na Justiça a interdição da empresa de latícinios Lactibom. Sete foram presos na operação. Entre eles, Luciano Petry, sócio-proprietário.

Em função da comprovação de irregularidade  apontada nos laudos de amostras colhidas nesta quarta-feira (21), constituiu-se flagrante. A ação é um desdobramento das operações Leite Compensado 10 e Queijo Compensado 2.

Leite vencido era industrializado após adição de água – inclusive de poços artesianos – no laticínio de Venâncio Aires, já interditado quatro vezes desde 2008, e depois revendido. Em alguns casos, foi constatado até 30% a mais de água. O produto que não conseguiam fraudar por estar muito estragado, era repassado para fabricação de queijos, alguns apresentando até coliformes fecais.

O promotor Alcindo Bastos comenta a interdição.

“Tivemos que tomar a medida extrema de solicitar judicialmente para evitar que os consumidores sejam prejudicados ao consumir praticamente em vez de leite. Cabe agora à Secretaria Estadual da Agricultura verificar se e quando essa empresa poderá retomar as atividades”.

Reincidência

A Lactibom já havia sido alvo de investigação em 2008. Na ocasião, foi interditada, o que voltou a ocorrer duas vezes em 2014, e no início deste ano. Em 2008, a interdição foi total. Nas outras, apenas a linha de produção.

Além disso, cinco envolvidos na operação Leite Compensado 5, no Vale do Taquari, no primeiro semestre de 2014. A investigação continua para saber se há produtos nocivos à saúde humana no leite industrializado pela Lactibom, que tem agora a razão social H2B.

 

Fonte: Rádio Gaúcha

voltar
© Copyright 2019