Temperaturas mais baixas favorecem desenvolvimento do trigo

Apesar do frio intenso e da baixa incidência de chuva, o clima segue ajudando a cultura do trigo no Rio Grande do Sul. Segundo o chefe do escritório regional da Emater/RS-Ascar de Santa Rosa, José Vanderlei Waschburger, as plantas se desenvolvem em ritmo normal e persiste a projeção de uma safra excelente, com produtividades acima dos 3 mil quilos por hectare.

A regional de Santa Rosa abrange 45 municípios, com cerca de 6 mil produtores que plantaram trigo neste ano em 267 mil hectares, em torno de 25% da área total estimada para o trigo no Estado, de 1,1 milhão de hectares. Somente em Três de Maio o trigo ocupa neste ano área de 10,2 mil hectares, a maior dos últimos anos.

Waschburger explica que as geadas dos últimos dias não afetam o trigo na fase atual.

– Ao contrário, o frio neste momento ajuda a cultura e evita o aparecimento de doenças – diz.

O técnico da Emater de Três de Maio, Leonardo Rustick, explica que o trigo não tolera o frio mais intenso a partir da fase de floração, o que deve ocorrer em agosto e setembro.

Na região de Santa Rosa, 58% dos cultivos de canola estão em desenvolvimento vegetativo, 32% em florescimento, 9% na fase de enchimento de grãos e já inicia a maturação das primeiras lavouras, implantadas em abril. Até 18/07, o tempo seco, ensolarado e frio vinha favorecendo o bom desenvolvimento das lavouras, que apresentam bom aspecto geral, com boa população e boa sanidade. Com a geada ocorrida em 19 e 20/7, aumentou a preocupação dos produtores em relação ao potencial prejuízo nas lavouras em floração e enchimento de grãos, pois as flores da canola são muito sensíveis à geada, com possível abortamento e má formação das síliquas – fruto da canola. Produtores dão andamento à adubação nitrogenada em cobertura nas lavouras em fase de desenvolvimento vegetativo; nas demais, não há necessidade de controle fitossanitário.

voltar
© Copyright 2019